muitas e, às vezes, melhor vida

Paulo Lopes sofreu um ataque cardíaco durante as suas férias em Gran Canária, e, depois de passar pela UTI, iniciou um programa de reabilitação cardíaca. Apesar de que mantém uma parte de sua medicação de forma crônica, afirma que, em seu caso, o infarto “representou um enriquecimento em sua vida” que, paradoxalmente, “mudou para melhor”

Outras notícias

Os hábitos de vida cardiosaludables a nível desportivo e alimentar, bem como deixar de fumar, são fundamentais para reduzir o risco de sofrer um evento cardiovascular. EPA/ROBIN UTRECHT

Artigos relacionados

Terça-feira 24.01.2017

Terça-feira 20.09.2016

Terça-feira 09.08.2016

Quinta-feira 27.02.2014

Sexta-feira 03.03.2017

Medo, incompreensão, desconfiança, frustração e insegurança são alguns dos sentimentos que pode experimentar uma pessoa que acabou de sofrer um infarto do miocárdio.

Uma atitude positiva e uma participação ativa no tratamento são fundamentais para se conseguir uma recuperação favorável.

A Fundação Espanhola do Coração (FEC) e a Sociedade Espanhola de Cardiologia (SEC) desenvolveram o projecto de Paciente Especialista , com o objetivo de que os interessados conheçam, participem e sejam protagonistas na prevenção e no controle de sua doença.

Esta iniciativa, que faz parte do programa Mimocardio, conta com cerca de 120 pacientes credenciados e com a adesão de 105 hospitais espanhóis.

“Quando um paciente tem de terminar o programa de reabilitação cardíaca e adquiriu os conhecimentos necessários sobre a doença e seu auto-cuidado, você pode ser proposto para fazer um curso online, comprovada pela SEC como paciente especialista e ajudar outras pessoas”, explica Raquel Campuzano, membro da SEC-FEC e cardióloga do Hospital Universitário Fundação Alcorcón.

E agora?

Quando uma pessoa sofre de um evento cardiovascular, a vida se vê profundamente afetada por este evento, não só a nível físico, também no âmbito psicossocial, já que tem que incorporar novos hábitos de vida e uma mudança de atitude.

É o caso de Paulo Lopes, que sofreu um ataque cardíaco causado por uma obstrução de artérias (doença cardíaca coronariana) durante suas férias em Gran Canária.

“Demorou três horas para ir às urgências, pensava que era qualquer coisa, menos um processo de infarto, realmente a minha percepção de risco era zero”, conta em uma entrevista com EFEsalud.

Depois de passar pela UTI, lhe implantaram um stent e iniciou um programa de reabilitação cardíaca em San Sebastián, cidade onde reside atualmente.

“Está demonstrado desde há 40 anos que estes programas reduzem a morbidade e mortalidade em 50%”, informa a doutora Campuzano.

Paulo, que é creditado como o “paciente expert”, afirma com determinação que a sua vida mudou para melhor: “Houve momentos em que eu cheguei a falar que tinha sido um presente”, diz.

Tal como afirma a especialista da SEC, deixar de fumar é o primeiro que há que fazer para prevenir eventos cardiovasculares. E Paulo não hesitou desde o primeiro momento: “eu Costumava fumar dois maços de tabaco por dia e desde o enfarte não voltei a pegar um cigarro”, destaca.

Também incorporou novos hábitos de vida: percorre até 200 quilômetros por semana de bicicleta e realiza exercícios aeróbicos diários. “Já não apanho o carro, sempre me viajar de bicicleta por São Sebastião”, refere.

No que diz respeito à alimentação, a doutora Campuzano recomenda a dieta mediterrânea, com predominância de vegetais, frutas, legumes, peixes, pouca carne, gordura e poucos produtos de charcutaria, assim como manter um controle rigoroso jejum, se sofre de diabetes e para manter os níveis de colesterol normais.

Atitude positiva após o infarto

A percepção de Paulo mudou profundamente desde que sofreu o infarto. “Quando não tinha a certeza se ia conseguir me replanteé muitas coisas: o que é importante, o que vou dar de menos…”, declara.

Em sua opinião, a preparação psicológica é determinante, porque no começo é normal passar por um período de queda e o medo.

“Uma vez que você sair desta situação, a forma de entender o trabalho, as relações humanas e os valores mudaram completamente”, diz.

A grande paradoxo de sua vida, afirma, é que o ataque foi suposto “um enriquecimento em sua vida”, porque agora tem incorporado hábitos muito saudáveis e uma atitude positiva perante a adversidade.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply