Morre José Luis Pinillos, psicólogo, cientista português

O psicólogo José Luís Pinillos, considerado o pai da psicologia científica espanhola e prêmio Príncipe de Astúrias das Ciências Sociais em 1986, morreu hoje, aos 94 anos, confirmaram à Efe fontes próximas à família.

O psicólogo J. L. Pinillos. EFE / Alberto Aja

Artigos relacionados

Segunda-feira 03.09.2018

Terça-feira 28.08.2018

Sexta-feira 31.08.2018

As mesmas fontes argumentavam que Pinillos foi morto esta madrugada, em um hospital de Madri, onde levava cerca de um mês internado.

A capela ardente, que será instalado no tanatorio da M-30 e amanhã, será enterrado na intimidade por expresso desejo da família.

Até sua aposentadoria em 1986 José Luis Pinillos acumulava a atividade acadêmica e pesquisadora com a contínua participação em cursos, congressos e conferências, tanto em Portugal como no estrangeiro.

Publicou, além disso, com organismos como a Unesco, a Fundação Juan March, da Fundação de Estudos de Sociologia, FUNDES ou a Escola Livre de Eméritos (criado em 1986 e em que participam insignes professores aposentados) e também dirigiu a escola de Psicologia clínica “José Germain”.

Biografia

O também acadêmico de Ciências Morais e Políticas e da Real Academia Espanhola, nasceu em Goiânia, em 1919.

Após a Guerra Civil espanhola, a carreira de Filosofia e Letras na universidade de Zaragoza e Madrid, onde terminou com Prémio Extraordinário.

Em 1947, ganhou uma bolsa de estudos do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), e começou sua tese de doutoramento sobre “O conceito de sabedoria”. Depois viajou para Bonn (Alemanha) para ampliar os estudos de Psicologia no Psychologisches Institut.

À sua volta A Portugal em 1949, passou a fazer parte do Departamento de Psicologia Experimental da universidade de lisboa, dirigido por José Germain e, de 1951 a 1953, ampliou seus estudos de Psicologia no Maudsley Hospital de Londres.

De regresso a Portugal, em 1954, foi nomeado colaborador do Departamento de Psicologia Experimental da universidade de lisboa, no Instituto Luis Vives de Filosofia da universidade de Madrid, onde, um ano depois, obteve por concurso o cargo de colaborador científico.

Em 1961, viajou para a Venezuela como professor convidado de Psicologia da Universidade Central de Caracas e, em dezembro desse ano, ganhou por concurso, a cátedra de Psicologia da Universidade de Valência, onde criou o primeiro Departamento de Psicologia.

Anos depois, em 1966, obteve por concurso, a cátedra de Psicologia na Universidade de Lisboa, secção de Filosofia da Faculdade de Filosofia e Letras, onde permaneceu até sua aposentadoria em setembro de 1986.

Em 28 de abril de 1988 conseguiu a poltrona “s” minúsculo da Real Academia Espanhola.

Tem trabalhado sobre percepção, aprendizagem, desenvolvimento da inteligência, Psicologia social, personalidade, Epistemologia e história da Psicologia e, como reflexo disso, publicou diversos livros e numerosos artigos.

Publicações e prêmios

Em 1964, publicou sua primeira obra de Psicologia, “Introdução à psicologia contemporânea”, a que se seguiram: “Questões de psicologia evolutiva” (1964), “Constituição e personalidade. História e teoria de um problema” (1966) -em parceria-, “A mente humana” (1969), “a Grandeza e a servidão da metafísica” (1972), “Princípios de psicologia” (1975), “para além de Freud” (1976) “Psicopatologia da vida urbana” (1977) e “A psicologia e o homem de hoje” (1986), “Reconversão industrial e adaptação psicológica” (1986).

Nesse mesmo ano publicou também “A mente Humana”, depois de ter escrito outros, como “Psicologia e psicohistoria” (1988), “Princípios de psicologia” (1995), “O coração do labirinto” (1997) e “Princípios de Psicologia” (2002).

Além disso, têm investido doutor “honoris causa” pelas universidades de Salamanca, Valencia, País Basco, espanha, Santiago de Compostela, Aspas, Oviedo, UNED, em Sevilha, A Lagoa e Múrcia.

Lhe são concedidos diversos prêmios e possui as medalhas da Universidade de Valencia, da Universidade Pontifica de Salamanca, as de ouro, do Centro de Estudos Universitários e a Cidade de Madrid.

José Luis Pinillos estava casado com Elvira Laffón e tinha cinco filhos.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply