Messi e Neymar unem forças pela alimentação escolar na américa Latina.

Uma equipe comandada por Messi e Neymar se acaba de formar, nas redes sociais, com o objetivo, não de marcar gols, mas de assegurar às crianças latino-americanos e caribenhos, o equivalente a dez milhões de refeições escolares. As duas estrelas do futebol que jogaram juntos no Barcelona, unem forças em prol da infância em seus respectivos computadores

Messi e Neymar em um jogo quando jogavam juntos no Barcelona/EFE/Arquivo/Alberto Estévez

Artigos relacionados

Terça-feira 16.01.2018

Terça-feira 24.10.2017

Sexta-feira 03.02.2017

Por trás da iniciativa #JuntosSomos10 estão o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) e a companhia de tecnologia dentro da indústria de pagamentos globais Mastercard, que a partir de 2012 trabalham juntos para fechar o círculo de fome e pobreza, que envolve comunidades de todo o mundo.

As refeições escolares são vitais para uma região onde há milhões de crianças e adolescentes que passam fome e cujas famílias não têm a capacidade de alimentá-los como necessária para que possam alcançar o seu pleno desenvolvimento humano e escolar, expõe à Efe o peruano Miguel Barreto, Diretor Regional do PMA.

#JuntosSomos10 pretende contribuir com o equivalente a dez milhões de refeições escolares extras em um prazo de dois anos e oferece várias opções para ajudar a alcançar o objetivo.

Uma é doar dinheiro diretamente ao PMA, através da página web da campanha e outra é simplesmente usar a tag #JuntosSomos10 no Twitter e Instagram.

A Mastercard vai doar uma refeição escolar de cada vez que utiliza este “hashtag” (etiqueta) e, em casos de doação direta ao PMA com cartão Mastercard, a empresa vai doar dez refeições.

“Mastercard acredita em um mundo mais inclusivo e com maiores oportunidades para todos, acabar com a fome é o primeiro passo para alcançar a inclusão social e reverter o ciclo de pobreza”, diz à Efe, Ana Ferrell, porta-voz regional da empresa.

Messi e Neymar, Neymar e Messi

Lionel Messi e Neymar da Silva Santos, que foram companheiros no Barcelona, assinaram um contrato de dois anos com a Mastercard para ser os “capitães” nesta campanha com a qual se pretende criar um movimento de pessoas comprometidas com a segurança alimentar de crianças latino-americanas e caribenhas.

Barreto diz que “o ideal” seria fornecer a todos os alunos de escolas e liceus públicos de 4 a 16 anos de idade “duas refeições (café da manhã e almoço) nos centros escolares e contar ainda com rações para que eles possam levar para suas casas para o jantar.

Cerca de 85 milhões de crianças na região recebem uma refeição diária na escola atualmente, mas há milhões que não recebem nada, acrescenta o representante do PMA, o organismo da ONU que tem programas de alimentação escolar na Bolívia, Colômbia, Haiti, Cuba, Nicarágua e Honduras.

Miguel Barreto aponta que os benefícios da alimentação escolar vão além dos que a recebem e que, em geral, calcula-se que cada dólar investido em isto resulta em quatro dólares de rendimento.

Neste sentido, menciona que quando uma escola fornece alimentação aos seus alunos, aumenta a escolaridade e contribui para que não haja discriminação por gênero, pois os pais também enviam suas filhas para a escola e na escola dão de comer a todos por igual, meninos e meninas.

Além disso, os planos de alimentação escolar movimentam a economia local, pois é geralmente pesquisar fornecedores próximos às escolas, e envolvem os pais, que em muitos locais se comprometem gerir o plano e são os auditores da qualidade e o preço dos alimentos que os filhos recebem.

O PMD, cujo compromisso com a alimentação escolar na América Latina e o Caribe toma formas diferentes, desde fornecimento e entrega de alimentos ao treinamento técnico, segundo o país de que se trate, chega a 2,5 ou 3 milhões de crianças por ano com essas iniciativas.

Começa algo que não tem preço

#JuntosSomos10 é o início da campanha “Comece algo que não tem preço” que a Mastercard lançou “para inspirar os latino-americanos a potenciar e explorar suas conexões para fazer o bem”.

“Mais de 40 milhões de pessoas em toda a américa Latina sofrem de fome, dos quais muitos deles são crianças. Combater a fome e a desnutrição infantil é uma forma de apoiar a educação e é fundamental para reverter o ciclo de pobreza”, diz Ferrell.

É por isso que em 2017 a Mastercard anunciou seu compromisso de 100.000 milhões de refeições com o programa mundial de alimentos em todo o mundo.

Quando se pergunta por que escolheram a Messi e Neymar para ser as caras de #JuntosSomos10, Ferrell diz que “as relações humanas são a base da cultura latina”.

Daí surge a idéia de aproveitar o forte laço de amizade entre Messi e Neymar como um exemplo de como os latino-americanos podem aproveitar as conexões humanas para fazer o bem. “Através de seu exemplo, queremos inspirar outras pessoas para que se unam por um propósito significativo”.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply