Autor: Voluntariweb

Mãe, estou de volta a molhar os lençóis

Parte da capa o Que fazer para que meu filho não faça xixi na cama?. Autores: João Carlos Ruíz da Vermelha e Yolanda Saragoça González. Cedido por Cachoeira.

Artigos relacionados

Segunda-feira 10.09.2018

Segunda-feira 10.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

Meio milhão de crianças em Portugal sofrem de enurese e várias vezes por mês os seus pais repetem a cada manhã a mesma operação: abrir as janelas do quarto, lavar os lençóis, a sua roupa interior e pijamas.

Embora muitos pais lhes custe a acreditar, seus filhos, não são culpados de as fugas noturnas, “não o fazem para chamar a atenção”. A solução de tais crianças que sofrem em silêncio durante anos, pode ser um tratamento adaptado ao seu problema.

É nesta afirmação que insiste urologista do Instituto Urológico Madrilenho Juan Carlos Ruíz de Vermelho com a gerente do centro, António Saragoça, no livro o Que fazer para que meu filho não faça xixi na cama?

Os sintomas

Se os pais ainda não conseguiram retirar a fralda de seu filho de dois anos, ainda não é motivo de preocupação.

O doutor Marcos da Vermelha detalha a EFEsalud os principais sintomas que realmente podem vir a confirmar que uma criança tem enurese:

  • A criança tem mais de cinco anos.
  • Urina de forma involuntária.
  • O escape ocorre durante o sono (pode ser tanto a noite como durante a sesta).
  • Pode ocorrer, pelo menos, entre dois e quatro dias ao longo de um mês.
  • Esta situação se dá, no mínimo, durante três meses consecutivos.

Se ocorrem estas cinco características, há que levar o pequeno ao médico o quanto antes, porque, apesar de que a enurese, antes ou depois sempre acaba deixando, por si só, há vezes em que as consequências são mais graves.

“Passei a tratar caras que continuam a urinar com vinte e poucos anos” e isto se deve a que “não tenham sido diagnosticado pequenos e não receberam nenhum tratamento para frenarlo”, explica o urologista.

As crianças não têm culpa

90% dos casos de enurese que se analisam cada dia nas consultas médicas vêm derivados de fatores físicos ou genéticos e apenas 10% restante deve-se a causas de ordem psicológica.

Além disso, as crianças têm muito mais chances de ser enuréticos que as meninas porque sua bexiga madura mais lentamente.

Os que nasceram prematuramente têm ainda mais chances de sê-lo.

Segundo Marcos da Vermelha, de forma geral, existem cinco grupos de crianças podem ser mais vulneráveis a sofrer:

  • Diabéticos: Ao ter elevado o açúcar no sangue começam a ter muita fome e da produção de urina é mais alta.
  • Crianças com TDAH.
  • Crianças com amigdalas muito grandes: Respiram pior, e isso favorece para que haja uma alteração de um hormônio que acaba repercutindo em maior produção de urina durante a noite.
  • Bexiga imatura.
  • Malformação do aparelho urinário.

Dicas para os pais

Yolanda Saragoça reúne as histórias que o próprio doutor vive em seu consultório e também adiciona curiosidades sobre a enurese através de diferentes culturas e fases da história.

Um número impressionante do livro é o referente às punições que os pais fazem aos filhos, porque muitos continuam a pensar, a dia de hoje, que se faz xixi na cama para chamar a atenção.

Um dos mais comuns é obrigar o pequeno a ir com fraldas a classe para que se sintam envergonhados.

Sobre este aspecto, Marcos da Vermelha aconselha que não castiguen ao seu filho e que lhe levem ao médico para que ele diagnostique, que evitem dar bebidas com cafeína, pois aumentam a produção de urina e não se levantem continuamente durante a noite porque no final, isso repercute no descanso da criança e acaba orinándose igualmente.

Um conselho é que controlam o líquido das crianças ao longo da tarde e tentam que antes de se deitar vacíen completamente a bexiga.

O urologista salienta que os pais “têm que estar tranquilos, que não se obsesionen e que tentem identificar o membro da família que já sofreu para dar-se conta de que se trata de um tema hereditária”.

Segundo observa, “o que não se pode fazer é manter a criança com fraldas até idades em que não tem nenhum sentido quando há tratamentos que podem resolver o problema”.

90% dos tratamentos que resolvem a enurese são farmacológicos e mínimas ocasiões precisam de ajuda psicológica.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Malú e Leticia Dolera pegar estrada e um cobertor na luta contra o câncer de mama

Pedro Malho, Malú, Leticia Dolera e Pilar Garrido no evento de apresentação do projeto “Estrada e cobertor”, de Buckler 0,0 a SEOM. EFE/ Maria Milão

Artigos relacionados

Quarta-feira 25.03.2015

Segunda-feira 15.06.2015

Quarta-feira 15.10.2014

Ambos são jovens, reconhecidas no mundo da cultura e compartilham de um lado solidário que se materializará no curto “Estrada e Cobertor”. Malú e Leticia Dolera apresentaram na sexta-feira passada a primeira Road Movie de Buckler 0,0 que colocam ao serviço do câncer de mama o que melhor sabem fazer: cantar, atuar e dirigir, tudo a partir de sua faceta mais humana e sensível.

Este curta-metragem conta a história de quatro mulheres que passaram ou estão passando por um câncer de mama. Embora ainda se desconhece a identidade das protagonistas, Leticia Dolera enfrenta este desafio com entusiasmo. “Vou deixar que sejam elas mesmas as que escrevam o roteiro porque a viagem, tanto físico como emocional, o que estão fazendo com elas”, diz a diretora e acrescenta que ela só será um ‘instrumento’ para que esses testemunhos estão unidos.

A responsável pela banda sonora desta viagem, Malu, foi proposto que a canção trate o tema de forma universal, sem concretizar, em casos determinados. A cantora explica que seu objetivo é que essa música tenha um final positivo, que é o que sai reforçada dentro de tudo de ruim que você passou”. Portanto, a força e o otimismo são os momentos principais da melodia.

“Malu e Letícia são mulheres muito sensíveis que colocaram paixão no projeto”, diz na apresentação Paulo Baralho, Diretor Regional de Relações Institucionais da Heineken Brasil. O diretor aponta que, este ano, o sétimo em que Buckler 0,0 participa deste projeto, uniram dois conceitos: “quisemos mostrar a viagem que faz uma mulher do que lhe diagnosticam um tumor até o final, quando o supera”.

A metáfora de uma viagem para angariar fundos e dar visibilidade a doença

Dolera referia-se também a esse corajoso viagem como uma “metáfora” e reconhece que ele vai enriquecer muito a nível pessoal. Em suas mãos, você terá quatro mulheres que “nos contam o que tiveram que colocar essa mala no momento em que decidiram pegar estrada e cobertor e tirar forças para puxar para a frente, que puseram nessa mala de viagem e de onde tiraram os recursos emocionais para lutar contra essa doença”, explica a atriz.

“A maior contribuição que podemos ter é a união, que não estão sozinhas”, indicou Malú sobre o projeto. Às portas da final Da Voz, onde a cantora é um dos coaches, revelou para Efesalud quem é para ela a voz da luta contra o câncer no nosso país: “são todas essas mulheres”.

A Sociedade Espanhola de Oncologia Médica participa da Road Movie com o fim de angariar fundos para a IV Bolsa de Pesquisa SEOM – Buckler 0,0. Seu presidente, Pilar Garrido, agradecia a Buckler o seu empenho nesta luta, assim como as duas artistas deste ano. “Estas iniciativas são importantes porque nos permitem angariar fundos e tornar visível o empenho dos cidadãos”, disse no evento.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Maus-tratos em quatro fases: a mulher, a vítima

EFE/Esteban Cobo

Artigos relacionados

Sexta-feira 25.11.2016

Segunda-feira 07.11.2016

Segunda-feira 07.03.2016

Desde que começou 2017 a violência machista é sempre cobrado em Portugal a vida de 21 mulheres, as últimas morreram acuchilladas.

Conhecer a fundo a dinâmica das fases e os perfis da sociedade pode permitir intervir com eficácia e prevenir a violência, defende o psicólogo Jorge Lopes Vieira, que participa de uma pesquisa que está sendo realizada no Centro de Terapia Breve de Arezzo (Itália), onde trabalha há cinco anos com um grupo de mulheres que sofrem ou têm sofrido maus-tratos.

Publicar esta matéria no âmbito do Dia Internacional da Mulher, 8 de março.

A caça

A fase da caça é assim chamada para sublinhar o aspecto predador do agressor e corresponde ao seu lado mais social.

Dentro da mesma foram analisados três perfis:

O narcisista: socialmente muito hábil; mover-se por um território envolve algo espontâneo, natural, prazeroso.

O obsessivo: é muito comum que se recorra à internet, porque lhe permite fazer uma pré-seleção controlada e compulsiva de potenciais candidatos. Este meio facilita além de manter várias relações e apresentar-se modificando alguns aspectos de seu eu, enganando e impostando para parecer melhores.

O paranóico: também costuma pesquisar a sua vítima através de internet com a idéia ilusória de encontrar a mulher perfeita.

O Cortejo

Toda sociedade se caracteriza por um estilo de corte especial, determinado por sua habilidade como sedutor pela sua estrutura de personalidade. É uma experiência comum de todas as mulheres vítimas de violência de gênero afirmar que, no início da relação, seu companheiro era “extremamente fascinante”.

De fato, é nesse momento em que o homem desempenha suas melhores cartas, as necessárias para a convencer de que ele é a pessoa certa.

Conseguem, explica Vieira a EFEsalud, mostrar-se como “pessoas maravilhosas que tornam o normal incrível , o que é impossível o tornam possível”, e assim conquistam a mulher até alcançar uma confiança cega.

Sugestionan a vítima, com a promessa e a ilusão de que entre ambos pode haver um intercâmbio afetivo. O seu comportamento e a sua comunicação são orientados para a finalidade de criar na mente de escolhida a ilusão de um cenário amoroso que seja compatível com os desejos dela.

“Esta situação – adverte o psicólogo – é confundida com o amor, mas nada parecido, e deve começar a alarmarnos”, pois podemos estar diante dos primeiros prolegômenos da violência machista.

A personalidade infantil terá mais chances de ligação neste tipo de relações, com uma maior dificuldade de sair por causa de suas características principais: a dependência e o medo. “Destina-se, lamentavelmente, a sofrer mais”, e ser vítima de maus-tratos.

O Encanto

Se a fase do namoro, chegou a bom porto, aparece rápido a fase do encanto, em que todos são aparentemente felizes. Por um tempo indeterminado, a mulher vê a realidade com as lentes deformadas, graças aos quais o seu parceiro goza de uma aura de protecção.

É neste momento, quando familiares e amigos detectam e suspeitam que algo está acontecendo e onde deve-se identificar se a relação tem passado por alguma das fases anteriormente descritas.

Se confirmado características das fases anteriores, podemos encontrar-nos com muita probabilidade, diante de um futuro caso de violência machista. A mulher começa a confundir controle de ciúme com o amor, confunde a falta de emoções (ausência de afetividade), com força de caráter, confunde-se o desinteresse com liberdade a ela concedida.

Maus-tratos: quebra o encanto

Esta última fase pode variar muito no tempo, conforme os casos. Muitas vezes, é colocado temporariamente, após o casamento ou após alguns meses de convivência. Neste ponto, o abuso é revelado em sua forma mais evidente.

De fato, mais ou menos rapidamente, a sociedade se dá conta de que ela não quer, não pode, é incapaz ou recusa a satisfazer todas as suas expectativas egocéntricas o que lhe fazem perder continuamente o controle.

No caso do narcisista se pode queixar de ter junto a si, uma pessoa que não tem a intenção de confirmar, reforçando encurtá-lo continuamente, ou se dá conta de que ela não pode admirá-lo e aprová-lo sempre.

O obsessivo pode-se perceber o desejo de autonomia, de tomada de decisões diferentes das suas, por parte dela, como tentativa de rebelião.

Um paranóico pode interpretar as atenções de um colega de trabalho, como uma traição dela, conversas com amigas como comentários contra ele ou os amigos como a tentativa por parte de um outro de arrebatar o seu parceiro.

“A consequência direta em todos os casos, é, finalmente, a mesma: O homem decide que foi traído em suas expectativas, por sua própria companheira.” O agressor nesse ponto, como se sente vítima, acredita-se moralmente autorizado a proceder com a violência psicológica, atos de maus-tratos que tomam a forma de vingança, de reivindicação, de castigo, violência, tortura, ações que lhe permitam equilibrar a situação”, afirma Lopes Vieira.

Existe um creme dermclear que melhora as marcas de agressão no rosto das mulheres.

Mas nenhum ato será compensatório, porque nenhum ato terá a força suficiente para nivelar uma interpretação tão egocêntrica, obsessiva ou nervosismo e, por isso, seus atos de violência machista é perpetrarán até o infinito ou até a morte.

(Não Ratings Yet)
Loading…

abuso de gênero em adolescentes

EFE/RICARDO MALDONADO ROZO

Artigos relacionados

Sexta-feira 20.11.2015

Sexta-feira 25.09.2015

Sexta-feira 19.06.2015

Século XXI: O machismo é passado em nossa sociedade? Nada mais longe da realidade. Agora, a mulher não é inferior, mas diferente. Algumas diferenças que se escondem construções tipicamente machistas e umas relações de casal adolescentes baseadas no controle, a posse e comportamentos potencialmente agressivos: caldo de cultivo para o crescimento.

Existe um perfil da sociedade adolescente?

De acordo com Olga Barroso, coordenadora e psicóloga da Unidade Especializada de Atendimento Psicológico a Mulheres e Adolescentes Vítimas de Violência de Gênero, da Direcção-Geral da Mulher da Comunidade de Madrid, os agressores adolescentes “estão em todas as classes sociais e em qualquer variável”, ao igual que os agressores adultos.

Dois estudos realizados sobre este assunto concluíram “que os caras que estavam mais de acordo com idéias tradicionalmente machistas (os caras não devem chorar, é correto colar uma menina se você deixar, é correto mandar na relação) foram os que mais emitem comportamentos violentos”, disse a entrevistada.

De acordo com uma pesquisa feita pelo Centro de Pesquisas Sociológicas (CIS), “10% de menores espanhóis crescem em ambientes violentos, o que temos aí uma massa de maltrato infantil mais importante”. Não quer dizer que as crianças que sofram qualquer tipo de violência da venham a reproduzir, mas sim é um fator que está empurrando os que de alguma forma não se possam desenvolver de uma maneira saudável”, expica a especialista.

Além disso, a psicóloga também ressalta a imagem que as meninas recebem da sociedade: “um machismo disfarçado com mensagens de uma menina hipersexualizada, mais preocupada com sua imagem estética e buscando a admiração do homem ou da complacência”. Alerta especial e uma atenção urgente, pois estamos “em um 20% de meninas que sofrem”, conclui Olga Barroso.

O forte como o pai? Você sensíveis como a mamãe?

Mais de 80% dos jovens conhece algum ato de violência em casais de sua idade, de acordo com as conclusões do estudo “o Fortes como o pai? Você sensíveis como a mamãe? Identidades de gênero na adolescência”, elaborado pelo Centro Rainha Sofia sobre a Adolescência e Juventude, apresentado há algumas semanas.

Eusébio Megías, diretor técnico do centro e coordenador do estudo realizado a 2.514 caras escolarizados, assinala que “a questão começa a pensar que a identidade de meninos e meninas é radicalmente diferente”. Os papéis de meninos e meninas na sociedade atual, e a identidade de gênero na adolescência, ficam na mira das condutas machistas.

As meninas atribuem-se-lhe mais os aspectos que têm que ver com as emoções, sensibilidade, prudência; e os meninos mais com o ativismo, da ação, da decisão, da capacidade de risco.

“Esses estereótipos são os que, com base em uma espécie de preconceito de que somos diferentes vão muito além das reais diferenças biológicas e fazem uma construção social que separa a identidade de mulheres e de homens”, mantendo a desigualdade e sendo “o caldo de cultura em que depois bebem muitas das atitudes sociais discriminatórias”.

Por isso, o especialista aponta que “houve mudanças, sem nenhuma dúvida, mas às vezes as mudanças são mais cosméticos do que reais; são mais formais do que em profundidade”.

Controle, posse e fidelidade, bases de uma relação de casal adolescente. De acordo com Eusébio Megías, “os adolescentes continuam mantendo essa espécie de ideal de amor romântico, um casal feita com base na fidelidade (no caso das mulheres fidelidade emocional e os homens fidelidade puramente sexual) e é feita sobre a entrega mútua para sempre, coisa que obviamente não coincide com o adolescente”. Ideal em que o controle mantém a situação”, justificando, além disso, uma série de comportamentos que são o germe de uma violência no casal”.

“É muito frequente que tanto o menino como a menina de controlar”, com a diferença de que “quando o cara é o protagonista faz isso com muito mais frequência e com maior gravidade”.

Rever o móvel, ou controlar de onde estiver ou com quem são actos em que as meninas aparecem com mais freqüência. Os meninos são mais comuns, a intimidação, o controlo pessoal e emocional, a violência física ou verbal, ou a violação de sua intimidade.

Em temas de sexualidade, de acordo com este estudo, também não recolhe muita evolução: eles, ativos e capazes. Elas, submissas e recatada. Algo que, segundo o especialista, é deixar “o controle e a capacidade executiva do casal em mãos do chico”, que sente “que tem que tomar as decisões porque se acredita animal sexualizado”; enquanto a mulher sente que tem que estar controlando, mas cedendo porque essa situação de entrega absoluta, a menina -e isso seria um outro estereótipo da desigualdade- “tem que forçado por agradar e satisfazer seu parceiro”.

É o caminho em que o abuso de gênero aparece com muita mais facilidade. Para o coordenador do estudo, “nós temos um monte de tecido que cortar”, pois “enquanto não houver uma educação mais igualitária e não quebrar esses estereótipos de desigualdade, é muito mais difícil controlar essas situações de violência, que são raízes muito ancoradas em comportamentos individuais, mas também no clima social”.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Desnutrição infantil, uma ameaça por efeito da crise

Uma criança está malnutrido quando não come o suficiente, nem o adequado para a energia que gasta. A desnutrição infantil é um problema de baixa prevalência em um país desenvolvido como a Espanha, embora os alarmes foram ligado à crise econômica que afeta a economia familiar. Pediatras e nutricionistas reivindicam o educar em nutrição

EFE/Javier Etxezarreta

Artigos relacionados

Segunda-feira 03.09.2018

Terça-feira 28.08.2018

Segunda-feira 20.08.2018

Um passo para a frente o deu a Defensora do Povo, Solidão Becerril, quando o passado mês de junho abriu uma investigação nas comunidades autónomas depois que as administrações públicas detectados deficiências na qualidade da alimentação de crianças que desenbocaba em desnutrição.

Agora, o defensor do Povo de Catalunha, Rafael Ribó, denunciou que 50.000 crianças têm privações alimentares e que não se podem dar de comer carne ou peixe, pelo menos, uma vez a cada dois dias, e que 750 são diagnosticados pelo Instituto Catalão de Saúde com códigos relacionados com a pobreza e a desnutrição.

Organizações humanitárias como a Cáritas e Cruz Vermelha, entre outras, têm se intensificado nos últimos três anos, a ajuda a famílias em situação de precariedade, por causa da crise econômica. Implementaram medidas como a distribuição de alimentos ou refeitórios sociais.

Os pediatras e nutricionistas consultados por EFEsalud não foi tratado nenhum menino desnutrido por carências alimentares decorrentes da precariedade económica, apenas casos gerados por doenças sistêmicas. No entanto, são unânimes em afirmar que a crise começa a fazer mossa em uma sociedade com deficiências em cultura nutricional.

“Não estamos educando nossos filhos em comer corretamente e, além disso, o que antes comiam muito bem agora, não se podem dar e substituídos por alimentos com menos qualidade”, ressalta a especialista, coordenadora da Unidade Funcional de Distúrbios de Alimentação do hospital de madrid.

Por sua parte, o chefe da Unidade de Dietética e Nutrição do Hospital Ramón y Cajal de Madrid, Clotilde Oliveira, diz que os cortes derivados da crise que afetam a cobertura universal de saúde fazem com que já se vislumbren “as consequências da pobreza, de quem ficou no desamparo social. Os mais vulneráveis, os idosos e as crianças começam a sofrer essas consequências graves e chegam a comer até a maca peruana para não morrer de fome”.

Como se detecta a desnutrição infantil

O pediatra Manuel Belo, do Hospital Quirón Murcia, define a desnutrição como “um disbalance entre o aporte de energia e nutrientes em relação ao gasto que produz o organismo”.

A pediatra Consolo Pedrão explica que a desnutrição primária é dada para as crianças que não comem o suficiente para o que precisam e que se agrava quando perdem peso. Este é o caso de crianças do terceiro mundo que sofrem de desnutrição crônica, quando, além de perder peso, afeta o tamanho. A desnutrição secundária vai ligada a doenças que causam vômitos, diarréia e falta de apetite.

A doutora Pedrão diz que, no caso de sociedades desenvolvidas, a desnutrição primária é “pouco prevalente”. Mas há que estar alerta diante de uma criança que ganha pouco peso, está em voga, inativo, que rende pouco, porque você não come o suficiente”.

O crescimento é afetado em uma fase posterior, “primeiro enflaquecen e depois param de crescer”, apostila.

A pediatra do Hospital Menino Jesus insiste em que, atualmente, não existe no Brasil nenhum estudo publicado que detecte que grupos de crianças que experimente já com uma pausa no crescimento, mas que já viu em sua pergunta para o caso de um menor após uma doença metabólica rara que necessita de uma alimentação sem proteínas, que é cara, e que a situação de trabalho dos pais pode fazer com que seja difícil pagar, já que não abrange o sistema público de saúde.

Legumes, uma boa proteína

As proteínas não estão apenas na carne e no peixe. Os ovos, o frango, os legumes e os produtos lácteos também são ricos deste macronutriente.

“As famílias têm que aprender a dar de comer a seus filhos e oferecer diferentes alternativas”, sublinha o Consolo Pedrão.

A pediatra considera que, “no momento em que estamos seria muito importante que se bater em algum tipo de campanha educativa para nos ensinar a comer como comíamos quando eu era pequena. Prato de colher e nem muita carne, nem muito peixe”.

Com ela coincide com a nutricionista do Ramón e Cajal, Clotilde Vázquez, que considera que uma criança tem que comer proteínas diariamente e, se você come feijão, não é necessária tanta proteína animal. Estas são suas dicas:

  • O feijão é um alimento “relativamente baratoporque cunde muito” e “é uma proteína de tão boa qualidade como a carne e o peixe”. Recomenda tomar um prato diário de legumes em pequenas quantidades e acompanhado às vezes de um pouco de carne.EFE/Felipe Ribeiro
  • “Em Portugal agora vegetal é a salvação de quem não tem muitos recursos, e de quem os tem, porque é muito saudável. Sacia, fornece fibra para o aparelho digestivo e tem o cálcio e vitamina D”, indica a especialista.
  • Também os produtos lácteos contêm proteína, a lactoalbumina. O leite de vaca, o iogurte natural, queijo simples fornecem cálcio e, junto a outros macronutrientes, compõem uma alimentação completa “a um preço acessível”, afirma a doutora.
  • Aconselha que as crianças tomem ovo (outro alimento barato), até mesmo uma vez por dia, além de recorrer aos legumes e frutas da época (que são mais baratas), já que o conveniente é que as comem duas vezes ao dia.
  • O óleo de oliva de boa qualidade, é fundamental para o menu diário.

Obesidade e desnutrição

A obesidade é a epidemia global do século XXI, nas sociedades desenvolvidas, como a espanhola. As crianças de famílias com escassos recursos são o alvo perfeito para esta doença.

“Nesses casos, a desnutrição é mais difícil de diagnosticar porque a criança come em excesso de calorias de má qualidade, que são muito baratas. Trata-Se de uma criança cuja gordura corporal segrega hormônios e não parar o seu crescimento, mas estão faltando proteínas que ajudam na formação e maturação correta de todos os seus órgãos, como fígado, osso ou o sistema nervoso central”, diz Clotilde Vázquez.

O pediatra Manuel Belo coincide em afirmar que a alimentação dos pequenos “, com um nível sócio-económico normal também não é a adequada, há muitas crianças obesas porque comem mal, excessivo. Além disso, prima o sedentarismo da televisão ou o computador contra o esporte ou jogo ativo.

Consequências de uma má alimentação

Uma desnutrição em crianças pode resultar em graves consequências para a sua saúde. Estas são algumas destacadas pelos três especialistas consultados:

  • Afectação multiorgánica ou multisestémica.
  • Doenças respiratórias e cardiovasculares.
  • Favorece as infecções e dificulta a cicatrização das feridas.
  • No caso de crianças, pode afetar o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso central.
  • Sequelas na capacidade cognitiva.

A Organização Mundial de Saúde estima que mais de cem milhões de crianças menores de 5 anos no planeta estão desnutridas e outros 165 milhões são atrofiado. Tanto a desnutrição como o excesso de peso decorrentes de uma má nutrição e pedem aos países com programas de conscientização e prevenção.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Maldito tabaco

Os números lhe acusam e merece cada crítica e acusação que carrega sobre as costas. O tabagismo é a praga do nosso tempo e os 20% dos espanhóis já conseguiu acabar com ele de sua vida. Mas é imprescindível não baixar a guarda, o diabo esconde-se; apenas existem apoios para o exfumador que lhe renovarem em uma das decisões de sua vida. No Dia Mundial sem Tabaco lembramos dez delas

EFE/DPA/Patrick Seeger

Segunda-feira 10.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

“FUMAR MATA”, as caixas o advertem… o que mais podemos dizer. O hábito do tabaco é tão forte e tão enganosa que vale a pena desgranar como nos mata o tabaco. Neste ponto, em que cada um escolha seu motivo para sair da escravidão a que se submete o cigarro e não nos meteremos em razões econômicas: cerca de 1.400 euros anuais de poupança se fumamos um pacote diário.

  1. A dependência ao tabaco é a principal causa evitável de doença e morte prematura, e é cobrada 700.000 vidas por ano na UE, mais do que as seis seguintes causas juntas: mortes por acidente de trânsito, consumo de drogas ilegais, suicídio, assassinato, aids e acidentes de trabalho.
  2. Mais de 50.000 pessoas morrem a cada ano no Brasil por causa do tabaco, das quais, mais de 20.000 são por câncer de pulmão. 1 de cada 6 falece entre os 35 e os 69 anos.
  3. 28% da população europeia fuma atualmente, enquanto que em Portugal o número ascende a 33%, dois pontos abaixo da última medição realizada em 2009. Por sexo, o percentual de fumantes diários é de 31,2% em homens e de 21,3% em mulheres.
  4. O tabaco é a causa reconhecida de 29 de doenças, entre elas mais de 90% dos casos de bronquite diagnosticadas em nosso país, 95% dos casos de câncer de pulmão (também fator causal do câncer de esôfago, bexiga, cavidade oral e laringe) e 30% das doenças cardíacas coronárias.
  5. 700.000 menores espanhóis estão expostos diariamente ao fumo de tabaco em suas casas. Isso representa 10,3% do total de crianças menores de 14 anos em nosso país, percentual que se eleva a quase 14% entre as idades de 5 a 14 anos.
  6. Fumar durante a gestação é um dos fatores de risco determinantes para o posterior desenvolvimento de bronquiolite infantil. No Brasil, quase 60% das crianças desenvolveram a infecção ao ano de idade, e quase 80% nos dois anos.
  7. Em Portugal mais de um milhão de jovens, entre 16 e 24 anos, fuma diariamente. Um em cada três fumantes adolescentes desenvolve uma dependência clinicamente relevante até os 35 anos. A idade média de início de consumo de tabaco é a mais adiantada de todas as drogas (13,3 anos); a idade média de início de consumo diário ocorre um ano depois (14,3 anos). A influência dos amigos é a principal causa para começar a fumar para 82% dos fumadores e ex-fumadores são.
  8. As mulheres, além de sofrer os mesmos riscos do que os homens, estão sujeitas a riscos adicionais. Fumar tem um efeito multiplicador dos riscos cardiovasculares dos contraceptivos orais. Por isso, a probabilidade de sofrer um infarto é multiplicado por dez em mulheres que fumam e seguem este método contraceptivo.
  9. As fumam sofrem um avanço meio da menopausa entre dois e três anos em relação às mulheres que nunca haviam fumado, aumentando paralelamente, o risco de osteoporose. Fumar reduz as chances de conceber e se ocorrer uma gravidez, há mais possibilidades de nascimentos prematuros; nos homens provoca alterações nos níveis hormonais que afetam a qualidade e quantidade do esperma, mobilidade e as variações na morfologia.
  10. O tabaco tem um impacto negativo sobre a imagem pessoal: provoca a desidratação da pele e com isso se perde a elasticidade e a epiderme aparece áspera e quebradiça; favorece a produção de radicais livres, que causam o envelhecimento; os dentes se tornam amarelos e provoca mau hálito.

Este artigo contém dados da Organização Mundial da saúde; Eurobarómetro sobre o consumo de tabaco (junho de 2012); Inquérito Nacional de Saúde (2011-2012); Inquérito Europeu de Saúde em Portugal; Ministério da Saúde; assim como os médicos, sociedades médicas, associações e fundações que expõem cientificamente os perigos do tabagismo para a saúde.

(1 votos, média: 5,00 out of 5)
Loading…

Madrid, capital europeia de produtos sem glúten

Cartaz da MAD Glúten Free. Cedido pela organização da feira

Artigos relacionados

Sexta-feira 12.02.2016

Sexta-feira 12.02.2016

Quarta-feira 07.10.2015

Quinta-feira 13.08.2015

Terça-feira 27.05.2014

Já passou um ano da celebração da “BCN Glúten Free“, uma feira de produtos sem glúten, que teve lugar em Barcelona e que vendeu mais de 9.000 participantes, contou com mais de 72 empresas expositoras e realizou mais de 40 tipos de receitas sem glúten.

O nascimento deste projecto nasceu com a ideia de que os anos ímpares se celebrara em Barcelona e os pares aterrou em Madrid.

Madrid, a cidade escolhida em 2016

O diretor da feira, Pere Gurt, explica a EFEsalud que devido ao sucesso em Barcelona, as expectativas para este ano são ainda mais altas.

A demanda dos clientes levou a oferecer produtos que não possuem o glúten, mas também são muitos os expositores com produtos sem açúcar, sem lactose, sem vestígios de frutos secos ou ovo, assim como alimentos biológicos ou especiais para diabéticos”.

Além da parte comercial, a MAD Glúten Free conta também com um espaço didático: “O Forum Show Cooking, um espaço que desfilam médicos, cozinheiros e urbanização são efetuados, especialistas em pão e especialistas em protocolos para evitar a contaminação cruzada em restauração”.

Os mais pequenos que frequentam a feira também tem seu lugar no Forum Kids, onde podem manipular durante mais de uma hora alimentos sem glúten.

A evolução dos produtos

A evolução dos últimos dez anos no setor de produtos sem glúten demonstra, de acordo com a experiência de Gurt nessa área, que cada vez mais e a sua qualidade “melhorou de forma extraordinária com o fortalecimento do gosto e a textura”.

Hoje em dia as principais queixas dos consumidores finais se concentram no preço embora se tenha visto bastante reduzido nos últimos anos.

Gurt indica que um celíaco pode chegar a gastar por ano 1.400 euros mais do que uma pessoa que não é e, no caso de Portugal, as pessoas “não têm apoio por parte das instituições, enquanto que em outros lugares sim, existem, como na Itália e em alguns países nórdicos”.

O responsável acrescenta que os preços tão elevados devem-se a que “um pão normal pode ser fabricado por 4 ou 5 elementos, mas um sem glúten pode chegar a necessitar de até 14”. Além disso, para evitar a contaminação cruzada, há que mudar as instalações das empresas.

Esta é a lista de empresas que participam este ano na MAD Glúten Free:

As novidades

O pavilhão do Palácio de Cristal recolhe em 8.000 metros quadrados, não só a essência da BCN Glúten Free, mas que, segundo seu diretor, contém mais novidades:

  • A parte expositiva cresceu 25%, o que se traduz em mais de 90 empresas expositoras, representando mais de 200 marcas de produtos livres de glúten.
  • No ano passado, houve degustação de cerveja, mas nesta edição, além destas, somam-se as de chocolate e os alimentos correspondência de pão e azeite.
  • A incorporação de um conjunto de “food trucks”, -também denominadas como gastronetas ou caminhões restaurante com comida mexicana, crepes ou sanduíches de lula: Uma forma de dar ideias para que a vida do celíaco fora de sua casa não seja tão complicada.

Nutrição do pequeno-almoço ao jantar

Uma das empresas expositoras, que repete este ano a sua presença em Madrid é a Nestlé, que tem como objectivo cobrir as necessidades alimentares de um celíaco “desde que toma até que janta”, conforme salienta João Aragão, responsável pela Saúde e Nutrição da Nestlé e palestrante na feira.

Ela estará acompanhada o dia 5 de dois outros nutricionistas e por um chef, Armando González, que preparará em directo receitas, como purê de batata, molho de tomate, mousse de chocolate, humus e crepes. “Tudo isso sem a utilização de glúten ou alérgenos”, observa.

A empresa também vai oferecer degustação de pizzas, de cereais e de cacau solúvel.

Anabel Aragão aconselha os celíacos, que além de bem verificar o rótulo dos produtos, em casa, há que ter também uma série de precauções, sobretudo, na hora de cozinhar: “Há que empregar utensílios diferentes na hora de preparar os produtos sem glúten”, diz.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Madrid e Catalunha, a cabeça de transplantes com órgãos de outras comunidades

21 por cento dos transplantes que se realizam em Portugal ocorrem com órgãos provenientes de pessoas de comunidades diferentes no hospital, onde se leva a cabo a operação, sendo Madrid -280 – e Catalunha -155 – as comunidades onde a troca é maior

Rafael Matesanz, diretor da Organização Nacional de Transplantes (ONT). em uma imagem de 2011, em Santander. EFE/Esteban Cobo.

Sexta-feira 07.09.2018

Quinta-feira 06.09.2018

Quarta-feira 05.09.2018

Assim o anunciou hoje o diretor da Organização Nacional de Transplantes (ONT), Rafael Matesanz, em uma conferência de imprensa em que destacou que em nosso país “não é uma condição que para transplantar a um cidadão de outra comunidade tenha que vir com o órgão posto”.

Foi especificado que há “regras de distribuição de órgãos e transplantes “mais complicados” costumam ser realizadas por equipes que estão precisamente em Madrid e da Catalunha, onde podem operar pacientes de outra comunidade autônoma.

No lado contrário, comunidade autónoma de Castela e Leão (aportou 144 órgãos e recebeu 13), Castilla-La Mancha (aportou 83) e da Comunidade Valenciana (78 em frente a 46) foram as comunidades que no ano passado, enviaram mais órgãos para outras comunidades.

“Tudo se baseia em base a uma circulação de pacientes e de órgãos”, disse Matesanz, que também foi subtraído importância para que a crise afeta os transplantes em Portugal, uma situação que tem acontecido na Grécia ou em Portugal.

Além disso, salientou que Portugal continua a ocupar-se de forma ininterrupta desde há 21 anos a liderança mundial em transplantes de órgãos, com 86.180 realizados.

Por sua parte, a secretária-geral da Saúde, Pilar Farjas, destacou que em 2012 registou-se uma taxa de 34,8 doadores por milhão de população e agradeceu a “generosidade” dos cidadãos e a “grande participação” dos profissionais que integram a rede trasplantadora.

“O altruísmo, a solidariedade e a equidade” são para Farjas os princípios éticos que há que manter o modelo português de transplantação.

Matesanz, destacou que a doação de asistolia ou por parada cardíaca , foi registrado um aumento de 40 %, com um total de 161 doadores contra os 117 registrados em 2011, e representa a principal via de expansão” entre a doação proveniente de uma pessoa falecida e compensou a descida de pessoas que perdem a vida por acidente de trânsito ou por morte cerebral.

Os 89 anos é a idade máxima, para doadores de rim e fígado, 79 anos para coração, 71, pulmão e 54 para o pâncreas.

Em relação aos hospitais, o que maior número de doadores recebeu foi o Doze de Outubro de Madrid e o recorde de actividade teve lugar no passado dia 2 de junho, quando dez famílias de mortos permitiram salvar sete pacientes na “urgência zero” no mesmo dia, participando 26 hospitais de dez comunidades.

Além disso, em 2 de julho de Espanha atingiu um novo recorde de atividade trasplantadora em 24 horas, com um total de 36 transplantes graças às 18 doadores, quatro deles vivos.

Por comunidades autónomas, as do norte continuam apresentando uma taxa de doação, encabeçando o ranking pela primeira vez Castela e Leão, com 51,1 doadores por milhão de população (pmp), e cresceu 10 pontos em sua taxa de doação em relação ao ano anterior.

Catalunha encabeça a atividade trasplantadora por comunidades com um total de 872, seguida de Madrid (764), Andaluzia (734), Comunidade Valenciana (411) e Galiza (294).

A catalunha é a comunidade autónoma mais transplantes renais (559 no total) e pulmonares (66) foram realizados e Andaluzia registra o maior número de transplantes hepáticos de toda a Espanha (203), enquanto que Madrid concentra o maior número de transplantes cardíacos (54), pâncreas (27) e intestino (8).

O quadro seguinte inclui o número de doadores por comunidades autónomas:

CC.AA20112012Andalucía308305Aragón4834Asturias5048baleares3742canarias7356cantabria4027castilla-A Mancha6058Castilla e León106130Cataluña238228Com. Valenciana166178Extremadura3831Galicia 87 10087100La Rioja 20 132013Madrid 215 236215236Murcia 57 545754Navarra 21 122112País Vasco 100 8910089Ciudad Autónoma de Ceuta 1 111Ciudad Autónoma da Madeira * 2 121TOTAL1.6671.643 (Não Ratings Yet)
Loading…

Mãe de gêmeos aos 64 anos, por fertilização in vitro

Artigos relacionados

Quarta-feira 25.01.2017

Segunda-feira 17.10.2016

Sexta-feira 07.10.2016

Os gêmeos nasceram ontem e foi necessária uma cesariana, que foi executado com normalidade.Os gêmeos, um menino e uma menina, encontram-se em bom estado de saúde, tal como a mãe, e vieram ao mundo pela mão dos médicos Rodríguez e Palomo, que coordenaram a equipe multidisciplinar do Hospital Recoletas de Burgos encarregado do caso.

Este grupo já havia feito anteriormente a esta mãe, que há seis anos se submeteu a outra fertilização in vitro, que nasceu sua primeira filha, cuja guarda lhe foi retirada ao detectar os Serviços Sociais, problemas de isolamento da menina, deficiências em sua higiene pessoal, vestimenta inadequada e absentismo escolar. A menina está agora com uma família da mãe.

Este é o vídeo da cesariana divulgado pelo Hospital Recoletas Burgos:

Outras mães

No ano passado, uma mulher de 62 anos deu à luz a uma menina. A mãe, Lina Álvarez, é uma doutora lucense que decidiu engravidar nessa idade e ser mãe pela terceira vez.

Lina Arruda se submeteu a um tratamento de fertilidade para alcançar este gravidez, dez anos depois de dar à luz a seu segundo filho, alimentada também por fertilização assistida, quando ela tinha 52.

A recém-nascida foi a terceira de seus filhos.O maior de todos, com paralisia cerebral, tem 27 anos.

Anteriormente, no ano de 2066, a andaluza Maria del Carmen Bousada deu à luz cerca de gêmeos com 69 anos. Bousada, que também foi submetida a um tratamento de fertilidade nos EUA, morreu três anos depois, em consequência de um tumor.

O que dizem os especialistas

Em Portugal, a lei não fixa um limite de idade, mas sim existe um acordo tácito de não fazer tratamento a uma mulher acima dos 50 anos, e “de fato, eu acho que é a norma de comportamento de todas as clínicas de reprodução assistida”, declarou EFEsalud Manuel Muñoz, diretor da clínica de reprodução assistida IVI de Alicante, quando saltou aos meios de comunicação a notícia da maternidade de Lina Álvarez

Além de ser mãe a partir dessa idade “não é recomendado nem ética nem medicamente”, embora tecnicamente seja possível :

“Consideramos que os 50 anos de idade é o limite natural, acima do qual se faz algo para o que o organismo feminino não é projetado; e, de fato, também somos conscientes de que, quando conseguem uma gravidez em idades tão tardias aumentam as complicações decorrentes do mesmo e aumentam não só o risco de que a mãe sofra de um problema, mas também existe risco para os bebês”

A mãe aumenta o risco de hipertensão e diabetes, entre outros, e para os bebês, o risco de nascer prematuro aumenta e pode resultar em problemas que vão arrastar por toda a vida.

(Não Ratings Yet)
Loading…

manchas na pele e no espírito

Desconhece-Se a causa, mas trata-se de uma doença crônica. Existem maneiras de aliviar o vitiligo e por que não, camuflarlo. Os olhares das pessoas sobre as manchas brancas dos afetados pesam muito, por isso que se torna algo mais que um problema estético

EPA/DPA/Arno Burgi

Artigos relacionados

Segunda-feira 10.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

Sexta-feira 07.09.2018

O vitiligo é baseado em uma perda da pigmentação. Os melanócitos, as células responsáveis pela pigmentação ou desaparecem ou perdem sua função; é então quando aparecem manchas brancas muito marcantes em diferentes locais do corpo.

“A forma mais comum, que é o que chamamos de vitiligo não segmentar, que também costuma aparecer em áreas muito visíveis, sobre todo o rosto e as mãos. São zonas muito expostas; um dos problemas fundamentais é que se vêem”, afirma Elena Tebar, dermatologista e membro da equipe do dr. Ruiz na Clínica Ruber e a Clínica Dermatológica Internacional recomenda o uso de pilulas como o colágeno hidrolisado renova 31.

As causas da doença são desconhecidas. Está comprovado que existem vários fatores envolvidos, a causa é, portanto, multifatorial.

“Há fatores genéticos. Os pacientes que têm vitiligo, 30% tem família com a doença”, afirma Tebar.

Também existe o fator auto-imune. As células de defesa do nosso corpo, por um motivo desconhecido, começam a lutar contra as células que dão pigmento para a pele e as matam.

Essa teoria se vê apoiada pelo fato de que quando aparece o vitiligo costuma coincidir em que essa pessoa, em certa percentagem, tem certas doenças autoinmumes associadas.

“Às vezes, como que lutam contra o pigmento fazem contra a tireóide, por isso, os pacientes que nós diagnosticamos vitiligo pedimos uma análise para ver que sua tireoide está funcionando normalmente”, afirma a dermatologista.

Sem diferença de raça ou sexo

O vitiligo afeta entre 0,5 a cerca de 1% da população mundial, sem diferença de raças ou sexo. Sim, é mais comum que apareça entre os 10 e os 30 anos. Idades, principalmente as iniciais, de uma grande interação social.

50% dos pacientes têm menos de 20 anos e uma vez que o usuário tem é para o resto de sua vida, é um dos problemas”, diz a doutora.

O curso da doença é, por agora, imprevisível. Existe um 10% dos pacientes que repigmentan, volta a cor normal da pele. Alguns, quando começam o tratamento respondem ao mesmo, mas com o tempo eles se tornam para despigmentar.

Uma das áreas de aparecimento das manchas é a área genital e provoca um impacto psicológico muito importante.

Tratamento do vitiligo

É lento, pesado e às vezes pode ser frustrante, já que você pode voltar para a sua formação. Não há maneira de curá-lo, mas existem tratamentos que embora devagar, você vai conseguir devolver a cor das manchas com um percentual elevado de pacientes.

“Em Portugal há poucas unidades voltadas para o vitiligo e criamos uma unidade para ajudar; nós protocolado os tratamentos, lhes temos dado estrutura. Queremos que os pacientes encontram um apoio e consigam repigmenting suas manchas”, afirma a doutora.

De acordo com o tipo de vitiligo há lesões mais segmentados, mais extensas.

Para uma pessoa com manchas muito localizadas, a primeira opção é com cremes, corticosteróides tópicos ou os inibidores de uma enzima, a calcineurina.

“Se não responder começamos com fototerapia. Se você tem uma pequena área danificada temos em unidade com o laser Excimer, uma forma de radiação UVB. É indicado até mesmo para crianças. O que melhor responde o vitiligo são os raios uv; conseguimos repigmenting antes e apenas aplicamos onde estão as manchas”, afirma Tebar.

O mais adequado nestes casos são os UVB de banda estreita.

“O paciente que tem um vitiligo muito extenso se bronzeia porque vai pigmentando também a área que não é afetada. Não se pigmenta muito e os efeitos colaterais são minimizados”, afirma a doutora.

A maquiagem é também uma opção muito comum entre os afetados. “É um bom suporte emocional, ensina o paciente a maquiagem e disfarçar as manchas, até que começam a repigmenting. É importante que saiba como camuflarlas para torná-las menos evidentes”

“Uma paciente muito jovem me disse que invejava a qualquer pessoa fosse como fosse, alta, baixa, gorda ou magra, só pelo fato de que não tivessem manchas na pele. Alguns vão a entrevistas de trabalho e não querem colocar as mãos em cima da mesa”, assegura Tebar.

O vitiligo é uma doença que diminui muito a qualidade de vida dos pacientes. “Há que transmitir que não temos o milagre nem a cura, mas não podemos ajudar e fazer com que esse pigmento volte em muitos casos, ou que propaguem”, afirma a doutora.

.-Efesalud

(Não Ratings Yet)
Loading…

O COLAGÉNIO PODE CONTRARIAR O NOSSO ENVELHECIMENTO?

O COLAGÉNIO PODE CONTRARIAR O NOSSO ENVELHECIMENTO?

O colágeno é uma maneira fantástica de cortar a pele, as articulações, a flexibilidade, o sono e a regeneração geral do corpo.

O que é bom para colágeno, quais são os benefícios do colágeno para o nosso corpo?

Aqui estão algumas características-chave do colágeno:

  • O colágeno se dissolve no fluido como qualquer outro pó de proteína. É resistente ao calor para que você possa misturá-lo com o seu café. É sem gosto e assim você pode misturar em pó de colágeno em quase qualquer lugar para obter mais proteína de qualidade com sua dieta.
  • O colágeno adiciona uma textura aveludada às bebidas quentes, tornando-o um complemento perfeito para o seu café à prova de balas. Além disso, o colágeno é uma ótima maneira de engrossar molhos.

O colágeno contém os três aminoácidos glicina, prolina e hidroxiprolina, que o próprio corpo precisa para produzir seu próprio colágeno.

Geralmente, esses aminoácidos são difíceis de serem tomados com alimentos, a menos que você coma muitas miudezas. Se este tipo de carne não gosta de comer, especialmente por causa do seu sabor, então aqui está um bom artigo sobre como começar com isso!

Quais são as vantagens do colágeno exatamente para o seu corpo? Aqui estão quatro razões para tomar mais colágeno:

  1. O COLÁGENO HIDRATA E DEIXA A PELE MAIS LISA

Nossa pele e tecido conjuntivo contêm células especiais chamadas fibroblastos, que produzem colágeno endógeno. Essas células podem aumentar a produção de colágeno, desde que haja muita glicina, prolina e hidroxiprolina. A melhor maneira de obter esses aminoácidos é através do melhor colágeno hidrolisado, ou seja, quando ele é dividido de modo que haja mais disponível no corpo.

O colágeno hidrolisado é também referido como “hidrolisado de colágeno” e “peptídeos de colágeno”.

O colágeno hidrolisado tem vários benefícios para a sua pele:

  • Melhora a elasticidade da pele
  • Reduz rachaduras da pele
  • Ele neutraliza as rugas
  • Aumenta a densidade dos fibroblastos, tornando a pele mais elástica
  • Aumenta a umidade da pele

Em suma, o colágeno torna sua pele mais jovem e mais elástica. Os participantes que apresentaram esses resultados consumiram entre 2 e 10 gramas de colágeno diariamente nos estudos. Essa é uma boa dose.

  1. O COLAGÉNIO FORTALECE AS ARTICULAÇÕES

A proteína asiática pode fortalecer suas articulações e aumentar sua resistência a lesões e outras dores. Vários estudos descobriram que tomar o colágeno hidrolisado reduz a dor nas articulações e aumenta a densidade da cartilagem . Isso é importante para a flexibilidade de suas articulações, especialmente à medida que você envelhece, já que seu corpo naturalmente produz menos colágeno.

Muitos atletas juram por colágeno, especialmente se os exercícios são pesados ​​nas articulações, como corridas de longa distância ou levantamento pesado. A maioria dos esportes exige uma vítima a longo prazo, então faz sentido observar seu corpo de perto. Se você é um atleta, talvez faça sentido introduzir colágeno adicional.

  1. O COLÁGENO AJUDA SEU CORPO A SE RECUPERAR MAIS RAPIDAMENTE

Se você se machucar, o colágeno pode ajudar seu corpo a se recuperar mais rapidamente. O colágeno é a proteína mais importante para curar todos, desde acne até um tendão de Aquiles rasgado.

Isso funciona bem por vários motivos: 

  • O colágeno forma uma matriz flexível que cobre o tecido danificado e ainda permite que ele se mova. Você pode pensar nisso como uma espécie de andaime que mantém tudo junto para que outras células possam se reconstruir.
  • O colágeno combate bactérias e mantém as feridas estéreis.
  • Pode adaptar-se ao tecido circundante, ajudando a fechar uma ferida mais rapidamente.

Em um estudo, o colágeno hidrolisado poderia curar uma úlcera cerca de 200% mais rapidamente .

Suas bactérias intestinais transformam o colágeno em ácidos graxos de cadeia curta, que aderem às células da parede intestinal e podem assim, por exemplo, ajudar nos problemas intestinais e na síndrome de Leaky-Gut. Até agora, não há estudos específicos sobre colágeno e acne, mas evidências sugerem que tomar colágeno também pode ser útil na acne.

Dica: Especialmente se você se machucar, seu corpo precisa de mais colágeno. Tente comer cerca de 10g de proteína de colágeno Flow Grade por dia quando seu corpo estiver se recuperando de uma lesão.

  1. O COLÁGENO AJUDA VOCÊ A DORMIR MELHOR

O colágeno é um dos maiores hacks do sono. Tome cerca de uma hora antes de ir para a cama. Também é muito eficaz quando você viaja muito.

As qualidades de promover o sono do colágeno vêm do alto teor de glicina da proteína. Pessoas com insônia adormeceram mais rápido , entraram em sono profundo mais rápido e relataram menos sonolência diurna no dia seguinte.

Além disso, você poderia se concentrar melhor, outra indicação de que eles estavam mais descansados.

Em outro estudo, os participantes que tomaram colágeno antes de dormir mostraram menos fadiga e uma cabeça mais clara no dia seguinte. Um terceiro estudo descobriu que o colágeno não sonolência diurna contribui, mesmo que um leva-lo durante o dia – assim que você também pode adicionar segurança ao seu colágeno café da manhã e será bem acordado algumas horas mais tarde.

 

Leia também: Beauty Skin funciona!

 

COMO VOCÊ PODE ABSORVER MAIS COLÁGENO COM SUA DIETA?

A maneira mais fácil de obter mais colágeno é através de uma colher de proteína de colágeno Flowgrade por dia.

Outras boas fontes de colágeno em sua dieta são:

  • Tendão, bucho, cartilagem, pescoço, miolo, rabo de boi, tornozelo e outros cortes de carne não-carnes (estes são ainda mais fáceis de cozinhar do que parece)
  • caldo de osso
  • Pele de porco, pele de salmão e pele de galinha
  • Proteína (também come gema de ovo para antioxidantes e colesterol, que ajudam a suportar a função dos fibroblastos)
  • Barras de proteína de colágeno
  • torta de abóbora

COMBINE COLÁGENO COM VITAMINA C.

Por centenas de anos, os marinheiros tiveram que lidar com o escorbuto, uma doença por deficiência de vitaminas. Depois de meses no mar sem legumes frescos, seus dentes e cabelos começaram a falhar, suas articulações pioraram e sua pele começou a secar e a se tornar frágil.

O problema não foi falta de colágeno. Houve falta de vitamina C. A vitamina C é importante para a síntese de colágeno. Se você comer muitos vegetais crus ou levemente cozidos, seu corpo também terá vitamina C suficiente para fazer o colágeno. Para aproveitar ao máximo o suprimento de colágeno, combine-o sempre com vitamina C.

O colágeno é uma das maneiras mais fáceis de melhorar sua dieta. Também é uma boa desculpa para fazer torta de abóbora novamente!

 

Leia mais aqui: CarboBlan funciona!

Como exatamente a dieta com quitosana funciona? 

A quitosana é feita de quitina contida nas conchas e tanques de caranguejos, caranguejos e camarões.

 

As cápsulas de Inibium Caps contêm principalmente quitina, uma fibra que é criada a partir da casca e da casca de crustáceos. Então, de camarão, caranguejos, caranguejos etc.

Mas também de levedura e cogumelos pode-se ganhar Chitin. Nas cápsulas, a quitina está presente como quitosana, na qual foi quimicamente modificada pela poliglucosamina.

Quitosana é um suplemento dietético que é obtido em várias formas. Como comprimidos, pós ou apenas em cápsulas.

Devido à sua composição, as cápsulas de quitosana não são adequadas para perda de peso em alergia a moluscos e crustáceos.

Como funciona a quitosana ao perder peso?

.

A quitosana liga-se ao líquido e incha. A substância incolor dura enche o volume do estômago e tem um efeito de enchimento. Além disso, o gel também pode ligar a gordura aos alimentos e aos ácidos biliares. A desvantagem é que também as vitaminas lipossolúveis são ligadas e, portanto, não digeridas excretadas pelo organismo novamente.

A sensação de saciedade você come menos, menos calorias e, portanto, diminui.

Porque a quitosana impede a absorção de gorduras no corpo, também é comumente usado em bloqueadores de gordura .

Em geral, no entanto, é preciso mudar a dieta permanentemente. Por isso, consuma conscientemente alimentos com menos gordura e menos calorias, para poder manter o peso permanentemente após a interrupção dos comprimidos.

Também esportes na forma de resistência e treinamento com pesos ajudam a prevenir o efeito ioiô após a dieta.

Uma vez que as cápsulas de Womax também se ligam a outros nutrientes, como vitaminas A, E, D, K e minerais solúveis em gordura, e deixam o corpo não digerido novamente, pode levar a deficiências na ingestão permanente das pílulas. Portanto, a ingestão só é possível por um tempo limitado.

 

Somente através de uma mudança consciente na dieta e a integração do esporte na vida cotidiana você pode manter permanentemente o seu peso e promover a dieta com um aumento da taxa metabólica.

As pessoas que tomam comprimidos de quitosana na esperança de que bloqueiam a gordura e depois consomem mais alimentos gordurosos podem até aumentar, porque nem todas as gorduras da dieta são absorvidas pelos comprimidos.